Entrevias inicia duplicação do trecho entre Echaporã e Marília

Entrevias inicia duplicação do trecho entre Echaporã e Marília

Em continuidade ao cronograma de investimentos em segurança e infraestrutura viária da SP-333 (Rodovia Dona Leonor Mendes de Barros), região de Marília, a Entrevias se prepara para iniciar a duplicação de mais 48 quilômetros de estrada, desta vez entre os municípios de Marília e Echaporã. As intervenções terão início no trecho dos quilômetros 362 ao 385, cuja licença ambiental já foi emitida, e logo em seguida se estenderão ao trecho dos quilômetros 337 ao 361, tão logo a Concessionária obtenha a licença necessária, que tem previsão de emissão até o final de março.

A mobilização inicial para as obras deve ocorrer nos próximos dias, no início de março, e a conclusão prevista é para fevereiro de 2022. O investimento é de R$ 275 milhões e está previsto no contrato de concessão firmado com a ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo), o qual prevê uma duplicação total de 211 quilômetros até o oitavo ano de concessão.

O cronograma prevê a construção de uma nova pista com duas faixas de rolamento e acostamento, separada da via atual por canteiro central. A pista existente passará por obras de revitalização. Está incluída ainda a implantação de onze dispositivos em desnível na rodovia SP-333, nos quilômetros 337, 343, 350 e 354 (Marília), 356, 362, 370, 374, 377, 381 e 384 (Echaporã). A execução desses novos investimentos deve gerar, direta e indiretamente, cerca de 500 postos de trabalho.

A construção da nova pista, com divisão dos fluxos, deverá proporcionar mais segurança viária e fluidez a usuários de rodovia e moradores de Marília e microrregião. Com a duplicação da pista, motoristas terão uma experiência melhor e mais confortável, com um deslocamento mais ágil e seguro. O investimento em duplicação também incentiva e facilita o desenvolvimento regional e aumenta a capacidade de escoamento da produção dos municípios.

Entre as primeiras providências do início das atividades estão a supressão de vegetação e implantação de drenagens. Inicialmente, não haverá necessidade de fechamento e interdições, situação que deve ocorrer para alguns serviços específicos, sobretudo nos trechos de serra. Fonte: Divulgação