Polícia Civil prende quarto suspeito de matar sobrinho do prefeito de Marília

Polícia Civil prende quarto suspeito de matar sobrinho do prefeito de Marília

A Polícia Civil de Marília (SP) prendeu nesta terça-feira (16) o quarto suspeito matar o jovem de 21 anos Dirceu Hilário Ortega Alons, sobrinho do prefeito Daniel Alonso (PSDB). Outros três suspeitos foram presos em fevereiro e março.

O crime foi registrado em 9 de janeiro deste ano. O corpo de Dirceu, mais conhecido como Neto Alonso, de 21 anos, foi localizado em estado de decomposição em um penhasco no Parque das Azaleias, na zona Sul de Marília.

Segundo informações da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Marília, o suspeito Edson Alves dos Santos foi encontrado em uma casa na rua Severino Zambon, Núcleo Habitacional Nova Marília.

Além dele, foram presos Fernando Henrique Klem Carneiro, Bryan Bruno Santos e Vitória Beatriz Pereira de Souza. Todos foram denunciados por homicídio qualificado e estão em presídios da região.

De acordo com a Polícia Civil, investigações apontaram que no dia do crime Neto Alonso, que era usuário de cocaína, teria recebido drogas de Fernando Klem para vender, mas consumiu os entorpecentes. Os três suspeitos pegaram o jovem e o levaram até a casa de Vitória.

No local, os três homens espancaram a vítima. Em seguida, os suspeitos arrastaram o corpo até o penhasco para tentar esconder.

O corpo de Neto Alonso foi encontrado no dia 12 em um penhasco com aproximadamente 80 metros de altura, de difícil acesso. Os bombeiros precisaram de apoio do helicóptero Águia da Polícia Militar para fazer o resgate.

Dois dias depois do corpo ter sido encontrado, um laudo confirmou que a vítima sofreu traumatismo craniano e múltiplas fraturas na face. No dia 14, Neto Alonso foi enterrado, sem velório, no Cemitério da Saudade.

Na época, prefeito Daniel Alonso divulgou nota dizendo lamentar o ocorrido e que essa era uma grande tragédia para toda família.

Polícia Civil prende quarto suspeito de matar sobrinho do prefeito de Marília

Bombeiros fizeram resgate em local de difícil acesso em Marília — Foto: João Vitor / Arquivo Pessoal